LOCALIZAÇÃO

Mapa político da Europa
http://www.platanoeditora.pt/

É localizada no hemisfério norte.

É limitado a Norte pelo Oceano Glacial Árctico e a Sul pelo Mar Mediterrâneo, que o separa do continente africano. A Oeste fica o Oceano Atlântico e a Leste situa-se a Ásia. A maior parte das terras do continente europeu localizam-se entre o Trópico de Câncer e o circo Polar Ático, na zona temperada do norte. 

Constitui-se de 49 países, e divide-se em Europa Ocidental e Oriental. 

RELEVO

Relevo europeu https://sites.google.com/site/eliziocom/geografia/geografia-9

A maior parte do relevo europeu é constituido de planícies.Há também, entre as planícies e as cadeias montanhosas, os planaltos. Podemos destacar o Maciço Central Francês e o Planalto Central Russo.

Na Europa Ocidental, o relevo montanhoso é mais presente. Neste sentido, podemos citar as principais cadeias montanhosas: Cadeias das Ilhas Britânicas e Montes Escandinavos (ao norte); Alpes, Pirineus, Balcãs e Cárpatos (ao sul); Montes Urais (nordeste) e Cadeia do Cáucaso (sudeste).

 

CLIMA

Clima europeu
http://carlosrabello.org/geografia/geografia-mundial/continentes/europa/mapas/

Os fatores que influenciam no clima europeu são: latitude. relevo, maritimidade e as correntes marítimas, principalmente a corrente do Golfo.

O clima predominante é o temperado continental. Nesse clima, a amplitude térmica é maior que no temperado oceânico. As chuvas se concentram mais no verão, ele é seco e quente. 

Além disso, os tipos de clima são: polar; frio de montanha; mediterrâneo e semiáriado.

 

 

VEGETAÇÃO

Vegetação da Europa
www.infoescola.com

A vegetação europeia é diversificada. Quanto mais frio o clima, menos exuberante a vegetação do local. Os tipos são: 

Tundra: vegetação rasteira, formada por liquens e musgos;
Floresta boreal (taiga): predominante em regiões frias, constituídas basicamente de pinheiros;
Floresta temperada: encontra-se em grande parte do continente, perdem as folhas no outono e inverno;
Estepe: vegetação formada por ervas rasteiras;
Vegetação de altitude: ocorre em elevadas altitudes, nas cadeias montanhosas, vegetais são menores e mais raras;
Vegetação mediterrânea: desenvolve-se em regiões de clima mediterrâneo e cacteriza-se pelo predomínio de plantas adaptadas a esse tipo climático.

 

PONTOS TURÍSTICOS

Torre Eiffel (Paris - França)

Arco do Triunfo (Paris - França)

Portão de Brandemburgo (Berlim - Alemanha)

Palácio de Versalhes (Paris - França)

Museu do Louvre (Paris - França)

HIDROGRAFIA

A hidrografia europeia foi essencial para o desenvolvimento do comércio; a maioria deles nascem nos Alpes. 

Seus principais rios são: 

Rio Reno: um dos mais importantes pela influencia que exerce na economia do país.

Rio Sena: navegação

Rio Volga: maior rio europeu

Rio Danúbio: liga as porções central, ocidental e oriental da Europa

Rio Rhur: em seu vale encontram-se grandes jazidas de carvão mineral e ferro

Rio Pó: áreas industriais e agropecuárias dependem das águas desse rio

PROBLEMAS AMBIENTAIS

Chuva ácida - Esse fenômeno é muito comum nos centros urbanos e industrializados, onde ocorre a poluição atmosférica, sobretudo pela queima do carvão mineral e de outros combustíveis de origem fóssil. 

Desertificação - é caracterizada como o processo de degradação da terra nas zonas áridas, semiáridas e sub úmidas secas, resultantes das atividades humanas ou de fatores naturais (variações climáticas). 

Resíduos nucleares - A radiação pode causar dois efeitos no organismo: destruir as células com o calor ou ionizar e fragmentar as células. 

Destruição da vegetação nativa - A destruição das florestas acarretou grandes transformações, como redução da biodiversidade e alterações nos sistemas climáticos, pedológicos e hidrológicos.

PROBLEMAS GEOECONÔMICOS

Representa a xenofobia na Europa.
https://www.youtube.com/watch?v=KBdNHjIh4f4

Conflitos:  No continente europeu, um dos principais motivos de conflitos é a questão do povo basco. O povo basco está distribuído no nordeste da Espanha e sudoeste da França. Essa etnia luta pela independência política e territorial há pelo menos 40 anos. 

Problemas migratórios: Um dos maiores problemas migratórios que ocorre na Europa é a xenofobia, o prconceito com o imigrante, com os negros, os países uma vez que nativos não querem disputar vagas com imigrantes.

Crise na zona do Euro: No plano econômico mundial, o ano de 2011 foi marcado pela crise econômica na União Europeia. Em função da globalização econômica que vivemos na atualidade, a crise se espalhou pelos quatro cantos do mundo, derrubando índices das bolsas de valores e criando um clima de pessimismo na esfera econômica mundial.

 

PROBLEMAS GEOPOLÍTICOS

Euro, principal moeda do continente europeu.
http://veja.abril.com.br/blog/nova-york/europa/o-valor-do-euro/

É um ramo ou parte da Geografia que estuda as configurações e reconfigurações territoriais , as relações político-econômicas entre os países, os conflitos territoriais e culturais. 

Europa ocidental: principal região econômica da Europa, engloba Alemanha, França e Reino Unido - as economias mais fortes da Europa. Concentra a maior parte das indústrias europeias e também é favorecida por um sistema de transportes moderno, rápido e multimodal, que permite intensa circulação de mercadorias e de pessoas.

Europa centro-oriental: envolve os países da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), detentores dos piores índices socioeconômicos da Europa e marcados por alta disparidade de renda. Sua economia caracteriza-se por indústrias pesadas e de base, além de atividades extrativistas e agrícolas. 

NOTÍCIAS

19/08/2015 14h56 - Atualizado em 19/08/2015 15h32

Europa aprova pacote de ajuda financeira para a Grécia

 

ESM informou que foi aprovado o programa de ajuda econômica. 
Mais cedo, o último país que faltava votar, a Alemanha, aprovou o plano.

Do G1, em São Paulo

O Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (ESM, na sigla em inglês) informou nesta quarta-feira (19) que foi aprovado o programa de ajuda econômica para a Grécia. Após meses de negociações, este foi o último passo para que o país recebesse o resgate.

A aprovação do plano era necessária para que a Grécia possa pagar na quinta-feira € 3,4 bilhões ao Banco Central Europeu.

 

Os ministros das finanças dos 19 países da zona do euro, que compõem o conselho da ESM, adotaram ainda um memorando especificando as reformas econômicas que o governo grego se comprometeu a fazer em troca de ajuda.
Segundo o ESM, os recursos do pacote de ajuda serão usados para as despesas orçamentais, liquidação de atrasados, financiamento de dívida e recapitalização do setor bancário.
O ESM informou que o valor do novo pacote de ajuda vai depender de decisão do Fundo Monetário Internacional (FMI), que deve anunciar a extensão de sua participação no financiamento do programa. A extensão também vai depender da capacidade da Grécia em implementar reformas as econômicas que se comprometeu a fazer.
"Este acordo dá perspectiva para a economia grega e uma base para o crescimento sustentável. O governo grego é obrigado a implementar este amplo pacote de reformas com determinação e vamos acompanhar de perto o processo. Eu já disse antes que não vai ser fácil. Estamos certos de encontrar problemas nos próximos anos, mas eu confio que seremos capazes de enfrentá-los", disse em nota o presidente do ESM, JeroenDijsselbloem.


Meses de impasse
As negociações para que a Grécia recebesse um novo pacote de ajuda levaram meses. O governo de Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, foi eleito em janeiro com a promessa de acabar com medidas de aperto econômico do governo anterior. Em um referendo em julho, os gregos recusaram as medidas de austeridade impostas pela Europa em troca de ajuda, como aumento de impostos e corte nas aposentadorias.
Mais tarde, porém, o governo de Tsipras entrou em um acordo com seus credores, se comprometendo a adotar medidas ainda mais duras que as recusadas no referendo. O premiêre conheceu que assinou um acordo no qual não acreditava, dizendo que foi necessário "para evitar um desastre".

Votação na Alemanha
A câmara baixa do Parlamento alemão aprovou nesta quarta-feira por ampla maioria o terceiro plano de ajuda à Grécia. Dos 585 deputados presentes no Bundestag, 454 votaram a favor, 113 contra e 18 optaram pela abstenção, segundo o resultado oficial.

A aprovação do plano apoiado pela chanceler Angela Merkel não estava em risco, já que a grande coalizão de conservadores e social-democratas dispõe de 504 dos 631 deputados do Bundestag, mas a incógnita era saber o tamanho do grupo de descontentes em sua bancada.

Com o resultado, a chanceler parece ter escapado de um voto contrário dos deputados de seu próprio partido. A contagem de votos por partidos será divulgada nas próximas horas.

Em uma votação aberta na terça-feira, 54 deputados da coalizão CDU-CSU votaram "não", contra os 60 que rejeitaram em 17 de julho o início das negociações para o terceiro resgate da Grécia.

CHARGES